Proteção contra sobretensões prolongadas com relé

 Lembra da fonte de PC que foi modificada no post anterior? Caso os zeners de 8,2V se abram, algo catastrófico acontece, nesse caso, o amplificador de erro terá 0V em sua entrada não inversora, fazendo com que a modulação do PWM vá a 50% do ciclo ativo para cada transistor do primário (máximo), com isso, a tensão na saída vai para algum valor muito alto, provavelmente maior que 24V, como resultado disso, a carga da saída na melhor alternativa queima.
Para prevenir isso, além de um diodo TVS em paralelo com a carga e o fusível, fiz um circuito que desconecta a carga com um relé e um SCR, circuito muito parecido com o crowbar, mas feito de forma a poupar o fusível.

Neste circuito usei o MCR100, mas pode ser substuído pelo MCR106 ou o TIC106, estes dois últimos mais fáceis de ser encontrados nas lojinhas de eletrônica, veja o esquema:


   O funcionamento é simples, com a carga conectada no contato NF, quando a tensão for inferior a 15,0V, ela recebe alimentação pelo relé.
   Caso a tensão seja um pouco superior, mas inferior a 15,7V, a corrente circula apenas pelo resistor de 220r, caso seja superior, a corrente também vai para o gate do SCR.
    Após isto, o contato é NF é aberto e a carga desconectada, observe que, devido à estrutura do SCR, o relé continua com o contato NF desligado, até que se desligue a fonte.
   Considerando que o TVS (em paralelo com a carga) atua com mais de 15,7V, neste pequeno intervalo de tempo em que a tensão excedeu este valor e o relé não atuou, uma corrente alta passa pelo fusível, como o tempo é pequeno (da ordem de dezenas de ms), dependendo do fusível escolhido e, da impedância dos cabos, o valor do I²t pode ser feito menor que o do fusível, fazendo com que ele não queime nesse intervalo.

Por enquanto é só, comente!! :D

1 comentários:

Allan rony carniel disse...

Achei interessante! Vou montar. Abraço!

Postar um comentário